Pular para o conteúdo
Início » Blog » Presente dia dos pais A morte é um dia que vale a pena viver: E um excelente motivo para se buscar um novo olhar para a vida

Presente dia dos pais A morte é um dia que vale a pena viver: E um excelente motivo para se buscar um novo olhar para a vida

Da editora

mortemorte

morte, ana claudia quintana arantesmorte, ana claudia quintana arantes

Saiba mais sobre o livro

Edição revista e ampliada

Um livro que propõe um novo olhar para a vida

Em A morte é um dia que vale a pena viver, Ana Claudia tem a coragem de lidar com um tema que é ainda um tabu. Em toda a sua vida profissional, a médica enfrentou dificuldades para ser compreendida, para convencer que o paciente merece atenção mesmo quando não há mais chances de cura. Após toda a luta, agora os Cuidados Paliativos têm status de política pública, recebendo do Estado a atenção que ela sempre sonhou.

morte, ana claudia quintana arantesmorte, ana claudia quintana arantes

Mais sobre a autora

Ana Claudia Quintana Arantes é médica formada pela USP, com residência em geriatria e gerontologia no Hospital das Clínicas da FMUSP. Fez pós-graduação em psicologia – Intervenções em Luto pelo Instituto 4 Estações de Psicologia e especialização em Cuidados Paliativos pelo Instituto Pallium e pela Universidade de Oxford. Ana Claudia é sócia-fundadora da Associação Casa do Cuidar, onde coordena os cursos de formação avançada multiprofissional – Prática e Ensino em Cuidados Paliativos.

Em 2012, publicou seu primeiro livro de poesia, Linhas pares, utilizado como base de pesquisa do impacto da poesia sobre a esperança de pessoas gravemente enfermas.

Algumas mensagens retiradas do livro

morte, ana claudia quintana arantesmorte, ana claudia quintana arantes

morte, ana claudia quintana arantesmorte, ana claudia quintana arantes

morte, ana claudia quintana arantesmorte, ana claudia quintana arantes

morte, ana claudia quintana arantesmorte, ana claudia quintana arantes

A morte chega, mas a vida prevalece.

Hoje ainda me pergunto: a escolha de se manter sentada nos protege de andar e de perder as pernas no caminho?

Como Nietzsche, eu também acreditava que o Homem tolera qualquer “como” se tiver um “porquê”.

Como eu lido com a dor do outro sem tomá-la para mim?

morte, ana claudia quintana arantesmorte, ana claudia quintana arantes

morte, ana claudia quintana arantesmorte, ana claudia quintana arantes

morte, ana claudia quintana arantesmorte, ana claudia quintana arantes

morte, ana claudia quintana arantesmorte, ana claudia quintana arantes

O verdadeiro herói não é aquele que quer fugir do encontro com sua morte, mas sim aquele que a reconhece como sua maior sabedoria.

As pessoas morrem como viveram. Se nunca viveram com sentido, dificilmente terão a chance de viver a morte com sentido.

Não me permita ser covarde, sentindo sua clemência apenas no meu êxito, mas me deixe sentir a força de sua mão quando eu cair.

– Rabindranath Tagore

“Se você expressar o que habita em você, isso irá salvá-lo. Mas se você não expressar o que habita em você, isso irã destruí-lo.”

– Jesus – Evangelho de São Tomé

Editora ‏ : ‎ Editora Sextante; 1ª edição (7 fevereiro 2019)
Idioma ‏ : ‎ Português
Capa comum ‏ : ‎ 192 páginas
ISBN-10 ‏ : ‎ 8543107202
ISBN-13 ‏ : ‎ 978-8543107202
Dimensões ‏ : ‎ 20.8 x 13.8 x 1.6 cm

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.